domingo, 29 de março de 2015

Terroir...South Africa




 Nasce uma ideia 

Terroir we are part of this...é o nome do meu projeto que visa conhecer culturas a partir dos seus vinhos,história e povo,  mês passado foi a vez da Africa do Sul, em uma temporada de 15 dias, participei da vindima e pude provar vinhos de vinicolas extremamente comerciais e industriais...até vinhos biodinamicos que foi o caso da visita em Malmesbury na região de Swartland, com o produtor chamado Billy um argentino naturalizado Sul Africano que esta a construir sua adega com containers...é esta mistura cultural que encanta,e nota-se nos vinhos.




Terra Vinícola do Cabo


Para os Europeus e Norte Americanos  a Africa do Sul especialmente a Cidade do Cabo e Cabo da boa Esperança, tem sido grande centro turístico, ainda mais com um verão longo maioritariamente ensolarado e um inverno suave mas húmido que dura de Maio a Setembro proporciona condições favoráveis a produção vinícola . Mas é a corrente de Benguela e os ventos Cape doctor os principais responsáveis pelo ameno clima que se vê na Africa do Sul, esta corrente fria ameniza os verões quentes e facilitam a produção vinícola.

História

Em 1652 um grupo de mercenários Holandeses desembarcou no Cabo da boa esperança para estabelecer uma base de abastecimento ao longo da rota de especiarias em nome da companhia holandesa das Índias Orientais. Uma vez que as condições para a produção de vinhos pareciam ser boas o comandante Jan Van Riebeck antigo médico do navio da companhia mandou rapidamente vir cepas da Europa.
Em 1679promulgou decretos que previam pesadas penalizações aos produtores  vinícolas no caso destes vindimarem suas uvas antes do estado de maturação ou fermentassem sumos em barris ou adegas sujas.
Embora os regulamentos proibissem os empregados das companhias de adquirir possessões coloniais, ou de participar em negócios por sua conta, van der Stel conseguiu abrir uma exceção para si próprio, consequentemente em 1685 conseguiu adquirir a sudoeste da Cidade do Cabo ,extensas propriedades às quais chamou de Constantia , estes vinhos foram muito bem trabalhados, chegando a ser mencionados ao mesmo nível dos mais considerados vinhos Europeus. Chegou a ser o vinho favorito de Napoleão a maior quantidade de Vins de Constance chegou a ser lhe fornecido durante os últimos anos da sua vida de exilio em Sta Helena.
A imigração de Franceses para a Africa do Sul, onde é hoje conhecida Franscshoek Valley estabeleceram propriedades que rapidamente ganharam notoriedade e enriqueceram o universo vínico da Africa do Sul, os seus descendentes continuam a desempenhar um importante papel até hoje na qualidade dos vinhos.
Em 1924 o governo concedeu poder a entidade KWV para fixar o preço dos vinhos usados para produzir Bradys no entanto esta medida não surtiu grande efeito para o tão desejado mercado dos vinhos fortificados, uma vez que a Africa do Sul é produtora de vinhos similares aos do vinhos do Porto.
Foi em 1940 que o governo passou todo o poder a KWV para supervisionar o setor vinícola o que passou a supervisionar não apenas os preços, mas também produção, castas permitidas, direitos de cultivos e métodos de produção, com todo este poder, produtores tiveram dificuldades de se desenvolver até 1994 quando a KWV deixou de ser o órgão regulamentador .
Outro fator que atrapalhou o desenvolvimento da produção na Africa do Sul, foi o boicote feito pelo por partes de outros países em protesto contra o Apartheid implicava que os vinhos sul africanos eram difíceis de exportar e com um consumo interno baixo, 9 litros por pessoa por ano, a procura por vinhos de qualidade era baixa.

 

 Um vinho de Origem

Em 1973 o Wine and Spirit Board montou um sistema através do qual seguindo o modelos Europeu o vinho na Africa do Sul passa a ser regulamentado como denominação de origem, quer dizer que o local indicado no rotulo é realmente a origem de todas as uvas, castas indicadas nos rótulos e  75% da varietal indicada no rotulo.
Existindo 5 subdivisões:
Estate: representa uma propriedade de uma ou mais quintas , tem que usar uvas exclusivas da sua própria região e a vinificação ocorrer nas suas própria instalações;
Ward : representa uma área vinícola pequena e exatamente definida.
District representa uma grande área vinícola por exemplo Stellenbosh ou Paarl
Region: refere-se a uma área extensa composta por vários distritos ou subdistritos por exemplo Breed River Valley ou Boberg
Wineland não é uma discrição oficial representa apenas a importância dos vinhos independentemente Da sua classificação .

Vinhos Saudáveis e limpos

O lema os vinhos da Africa do Sul, são saudáveis, limpos e amigos do meio ambiente é dirigido aos amantes dos vinhos de todo o mundo.
Desde de 2000 que toda a produção vinícola passou a ser integrada,
O uso de técnicas e praticas sustentáveis são marcas registradas sempre em harmonia com o meio ambiente se baseando na não utilização ou utilização mínima de fertilizantes sintéticos , isso garante que os vinhos não tenham mais que os níveis sugeridos para o consumo humano, tornando os vinhos mais saudáveis.
Preparação do solo, reciclagem dos vidros e de materiais de empacotamento, levando a Africa do Sul ir muito mais além dos outros países e isso tudo é regulamentado.
Este passo revolucionário foi resultado de anos de trabalho do conhecido Nietvoorbij Enological Institute em Stellenbosh onde as pesquisas mais importantes em termos de viticultura e enologia são levadas a cabo, e que há vários anos estão associados ao sistema P.I .

Vinhos Fáceis de beber?

Já há vinhos suficientes provenientes de vinhas saudáveis para demonstrar o extraordinário potencial da África do Sul, Embora as condições climatéricas gerais possam classificar como mediterrâneas há na realidade um espectro muito amplo, desde locais frios como Walker Bay até áreas desérticas como Klein Karoo.
A maioria das vinhas tem que ser irrigadas artificialmente uma vez que nos meses frequentemente muito secos e quentes Janeiro e Março as uvas simplesmente vegetariam ao invés de amadurecer. Por este motivo, pequenos lagos dos produtores forma um elemento característico da paisagem especialmente em Stellenbosh e Paarl.
Ate pouco tempo a industria estava orientada a vinhos de estilo fácil de beber .Estão a fazer isso com um considerável sucesso produzindo vinhos a preços surpreendentes baixos, esta forma industrial de pensar deve-se principalmente a estrutura das empresas. Uma propriedade tipica é constituída por 150 hectares, algo menor que 100 já é considerado pequeno.
Muitas das propriedades existentes e estabelecimentos vinícolas adicionaram conceitos de premium e super premium a suas gamas nos recentes anos e certamente que não tem que recear a comparação internacional. As zonas de climas mais moderados em especial, estão a demonstrar um potencial impressionante e em termos de vinhos de elevada qualidade e ainda há muito o que se fazer.

A África do sul é um conceito forte de Terroir, que produz vinhos únicos com toques de Novo mundo porém com elêgancia que se encontra nos vinhos Europeus, com forte influência dos Franceses e Holandeses .
Próximo post falarei mais do Terroir we are part of this de Portugal e tem novidades vindas da Alemanha e Argentina.

Boa Degustação!!!!

Sem comentários:

Publicar um comentário